sexta-feira, setembro 03, 2004

Existe esperança para os coelhos anões albinos?



Ontem decidi final/ confirmar a veracidade do que se passa na Ilha de Faro e fui lá ver os anões albinos e os caçadores com binóculos, à noite, aluguei uma gaivota e pedalei silenciosa/ até à ilha. Ai chegada pude tomar contacto directo com a situação. Regulei os binóculos e fiquei à espreita. Não sabia muito bem o que ia encontrar, mas tinha vontade de ajudar a dar visibilidade a este caso, se me certificasse da veracidade da história. Uma espécie de blind date. Foi estranho. A situação não é usual para mim e o mundo com que me vi confrontada é um mundo que me é alheio. Alheio no sentido de se ver muito mal á noite e fazer muito frio, e nunca ter tido contacto tão directo com atrocidades como aquela que vi: homens com tacos de basebol, certamente importados, batiam em pobres coelhos anões albinos indefesos, espancando-os até á morte. Depois enchiam com eles sacos de batatas (sem estas, obvia/). Aqueles coelhos seriam certamente muito bonitos se os caçadores não os tratassem tão mal, com os paus, no intuito de os matarem, o que conseguem. O mar estava sereno e em redor dele estavam dispostas as estrelas da noite. Imagine-se o desespero daqueles animais sozinhos, imagine-se a dor daquelas mães coelhas albinas ao verem morrer os seus filhinhos. Uma vez enchidos umas dez sacas de batatas, com coelhos (não batatas), entraram num barquito, do qual tentei tirar a matricula, colocando a minha gaivota á frente, mas tentaram atropelar-me e conseguiram fugir.
È esta a dura realidade dos coelhos anões albinos....

1 comentário:

truco disse...

Foda-se